quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

TEMPO! DEFINIÇÃO EM TEMPO DE GUERRA.

TEMPO! DEFINIÇÃO EM  TEMPO DE GUERRA.

Imagem do Google.

«No livro  « Vida e Destino» Vassili Grossman pinta um imenso fresco da Rússia Soviética, com incidência  nos anos da Segunda Guerra Mundial, na ofensiva alemã  e na defesa  e, depois  na contraofensiva Soviética, que culminou  na libertação de Stalinegrado    e  dos territórios ocupados pelos nazis».
Os nazis na sua senda de exterminar os Judeus não se pouparam a esforços para atingirem aquele horrendo objetivo que acabou por vitimar milhões de judeus – homens, mulheres, idosos e crianças, « todos na flor da vida do seu tempo». Nos países que iam ocupando, caso da Rússia, iam criando os seus campos de concentração, como aquele que inspirou o autor do livro acima citado a escrever o texto a seguir que aqui deixo em homenagem a todos aqueles que pereceram no Holocausto.


Imagem tirada do Facebook

Hoje assinala-se o “Dia Internacional em Memória da vítima do Holocausto”. Aqui fica a nossa singela homenagem a todos os que foram submetidos a tal brutalidade. Ficam também os desejos para que o Homem nunca se esqueça destes acontecimentos!
“ A música que tocava *, despertava nele a compreensão do tempo. O tempo é o meio ambiente transparente em que as pessoas surgem, se movem, desaparecem sem rasto… No tempo, nascem e desaparecem aglomerados de cidades. O tempo trá-las e leva-as. Mas nasceu nele outra compreensão do tempo, muito peculiar. Aquela compreensão que diz: «No meu tempo …. Não é o nosso tempo”. O tempo corre para dentro do homem e do país, aninha-se neles, depois o tempo vai-se embora, 


Imagem do Google

O país ficou, mas o seu tempo passou… O homem vive, mas o seu tempo desapareceu. Onde está? Eis o homem que respira, pensa, chora, mas aquele tempo especial, único, ligado apenas a ele, foi-se, passou, esgotou-se.
Ele, porém continua a viver.
O mais difícil é ser não-filho do tempo. Não existe nenhum destino mais penoso do que o de não-filho, a viver num tempo que não é o dele. Os não-filhos do tempo saltam à vista de imediato: nas secções de pessoal, nos comités dos partidos locais, nas secções políticas do exército, nas redações dos jornais, na rua … O tempo gosta apenas daqueles que gerou – os seus próprios filhos, os seus heróis, os seus trabalhadores. Nunca por nunca nutrirá amor pelos filhos do tempo passado, e as mulheres não gostam dos heróis do tempo passado, e as madrastas não gostam dos filhos alheios.
Assim é o tempo – tudo passa, mas ele fica. Tudo fica, mas o tempo vai-se. O tempo vai-se embora num passo tão leve, tão inaudível … Ainda ontem foste tão seguro, animado, forte: filho do teu tempo. Hoje chegou outro tempo mas ainda não o compreendeste.
O tempo despedaçado no combate surgiu do violino de contraplacado nas mãos do barbeiro Rubintchik. O violino comunicava a umas pessoas que o tempo era delas e a outras que o tempo estava a passar.
«Passou, passou» pensou Krimov».
 »

Passou! Foi só tempo de abrir as valas comuns ….  Digo eu...

* Jan Kubelik (1880-1940)- famoso violinista e compositor checo.


abibliotecaviva.blog.spot.pt

29-01-2014