sábado, 11 de janeiro de 2014

EPITÁFIOS

FALANDO DE EPITÁFIOS

I
Quando em tempos, no meu blog  abibliotecaviva.blogspot.pt  ,  publiquei um texto, que recomendo, com o título Diligências e  Alguma  História  falei  duma figura popular ,de nome Álvaro Vaz, um pouco zambro , como a imagem a seguir representa que residiu em Castanheira de Pera  e , como “ Bon vivant “ , dizia que gostava  que na sua campa fosse  colocado o  epitáfio seguinte ;

AQUI JAZ
O ALVARO TOMAZ
EM VIDA NADA FEZ
AGORA NADA FAZ !

  • Ao achar a quadra engraçada fui pesquisar os epitáfios de outras duas figuras célebres e grandes amigos – Mário  de Sá-Carneiro que  se suicidou  em Paris  no seu quarto no hotel de Nice com apenas 26 anos de idade em 26 de Abril de 1916, tendo enviado alguns bilhetes ao poeta da Mensagem anunciando-lhe aquela  sua intenção , tendo ficado célebres os versos do seu poema FIM  escritos pouco tempo antes de por termo à vida, a saber:

QUANDO EU MORRER BATAM EM LATAS,
ROMPAM AOS SALTOS E AOS PINOTES.
FAÇAM ESTALAR NO AR CHICOTES,
CHAMEM PALHAÇOS E ACROBATAS
QUE O MEU CAIXÃO VÁ SOBRE UM BURRO
AJAEZADO À ANDALUZA…
A UM MORTO NADA SE RECUSA,
E EU QUERO POR FORÇA IR DE BURRO!


Imagens da Internet

 e, o de Fernando Pessoa que    veio a falecer na noite de 27 para 28 de Novembro de 1935, quando, estando só em casa , foi acometido  por uma cólica hepática , mais grave do que as que sofrera antes e tal como o seu amigo Mário Sá-Carneiro também escreveu  o se próprio epitáfio, a saber;

NO PLAINO ABANDONADO
QUE AMORNA BRISA AQUECE,
DE BALAS TRESPASSADO
- DUAS, DE LADO A LADO -,
JAZ  MORTO E ARREFECE.

.
Como blogger pensei que devia deixar também o meu epitáfio, para ser postado quando a minha atividade terminasse. E, se o pensei, melhor o fiz, pelo que rezará assim;


ABIBLIOTECAVIVA SUCUMBIU
E , NESTA CAMPA, ESTÁ PRESENTE!
EM VIDA!! O BEM E O MAL SENTIU,
AGORA MORTO! JÁ NADA SENTE!~


II

COMENTÁRIOS COM ALGUM HUMOR

1- Acontece que  Alvaro Tomaz ao trabalhar na diligência que ligava Pombal a Castanheira de Pera  , ver detalhes   no texto acima citado, como bom profissional que era,  definia as regras  antes do embarque dos passageiros em Pombal ,dizendo ; Existem três tipos de bilhetes, a saber: Os de primeira  vão sempre sentados ate Castanheira de Pera, os de segunda , na Ribeira de Alge  vão ter de descer e ir a pé até ao alto de Aldeia de Ana de Aviz, finalmente os de  terceira terão também terão de descer  na Ribeira de Alge  para empurrarem a diligencia ate  ao  cimo da subida citada.
 Assim sendo, em que é que ficamos? Trabalhou e nada fêz ? Haja paciência!!

2- Quanto Mario de Sá-Carneiro  claro que o Burro, palhaços e acrobatas  etc .não devem ter aparecido no funeral, penso eu e , se tivesse acontecido, deveria ter sido um espetáculo a não perder.

3-  Fernando  Pessoa tendo morrido duma cólica hepática  vem dizer-nos  que foi trespassado com balas?  Disto não se  podia lembrar o Demo.

4- Agora falando de   ABIBLIOTECAVIVA  os seus terceiro e quarto versos são uma evidente Lapalissada. Pelo que em relação a esta questão, logo que oportuno, irei escrever sobre esse grande Marechal de França que se chamou Jacques II de Chabanes, mais conhecido por Monsieur de La Palisse morto na batalha e Pavia em 24 de Fevereiro de 1525.

5- Finalmente  queria  deixar aqui uma homenagem , sem humor, aquele grande médico e escritor que foi Alfredo Correia  da Rocha , que adotou o pseudónimo de Miguel Torga em memória dos dois grandes Miguéis , Cervantes e Unamuno. Ao não deixar epitáfio que se conheça  foi-lhe, junto à campa, colocada uma Torga que ainda lá existe, aquela planta que cresce nas serras e deita raízes agarradas à rocha e que tão boa braseira fazem nas lareiras  e que faz um bom  e lindo brasido de cor vermelha viva.

Fontes. Monografia de Castanheira de Pera ,  de Kalidás Barreto -2ªEdição-2001-  e  Fatos e Figuras da História de Portugal . Edição em fascículos do Correio da Manhã e Internet.

abibliotecaviva.blogspot.pt


11-01.2014